Dia Mundial do Doador de Sangue

Doar sangue é um ato de amor. É por isso que desde 2005 é comemorado em 14 de junho o Dia Mundial do Doador de Sangue, uma maneira de agradecer a quem doa e incentivar mais pessoas a doarem sangue. Quer doar? Então veja abaixo o que é preciso.
– ter entre 18 a 69 anos de idade;
– de 16 a 17 anos com autorização do responsável legal;
– pesar mais do que 50 kg;
– estar alimentado;
– não ter feito uso de bebida alcoólica nas últimas 12 horas.

Se você:
– Teve febre ou qualquer processo infeccioso;
– Está grávida ou teve filhos nos últimos 3 meses;
– Tem diabetes em uso de insulina;
– já doou sangue há menos de 60-90 dias.

Aguarde e se informe sobre o momento mais oportuno para realizar esse ato de generosidade que salva vidas!

#doesangue #atodeamor #solidariedade

Fontes:
Fundação Hemocentro de Brasília
World Health Organization

Dia Nacional da Imunização

Neste dia nacional de conscientização sobre a imunização, a equipe da Pró Cardio Cascavel aproveita para fazer um lembrete e reforçar sobre a importância da vacinação contra a Covid-19:

– siga o calendário de vacinação de sua cidade;

– consulte seu médico e tire todas suas dúvidas quanto a vacina;

– não esqueça de tomar também a segunda dose.

A participação de todos é fundamental neste momento!

Dia Mundial sem Tabaco (31/05)

Pessoas que param de fumar depois de sofrer um infarto reduzem em 50% as chances de ter outro ataque cardíaco. A informação ganha destaque na campanha da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e da Organização Mundial da Saúde – OMS, no Dia Mundial sem Tabaco (31/05), que, em 2021, propõe o slogan “Comprometa-se a parar de fumar hoje!”.

Parar de fumar pode ser desafiador, mas atualmente existe tratamento para alcançar esse objetivo, inclusive medidas farmacológicas. Fale com seu médico!

Na data de hoje, a equipe clínica da Pró Cardio Cascavel enaltece a campanha e reforça os benefícios de parar de fumar.

Nova fase de vacinação contra a Covid-19

Com o término da imunização dos idosos com 60 anos ou mais, terá início uma nova fase de vacinação contra a Covid-19 em todo Brasil. Isso se dará ainda em Maio e vale a pena alertar quais grupos de pessoas serão contemplados.

A vacinação novamente será de maneira escalonada, priorizando os grupos de risco e respeitando o número de doses disponibilizadas. No primeiro momento, o Paraná vacinará:

– Pessoas com doença renal crônica em qualquer idade;

– Portadores de Síndrome de Down em qualquer idade;

– Gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto) com comorbidades;

– Pessoas com deficiência permanente com idade entre 55 e 59 anos;

– Pessoas com idade entre 55 e 59 anos e com comorbidades.

Descritas no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, as comorbidades englobam doenças cardiovasculares, pulmonares, diabetes mellitus, obesidade mórbida e imunossuprimidos, dentre outros. É importante frisar que elas precisam ser declaradas pelo médico assistente. Em caso de dúvidas, a Pró Cardio Cascavel recomenda buscar seu médico de confiança para esclarecer todas as informações e se sentir seguro para tomar a vacina, a melhor forma de prevenção contra a Covid-19.

 

A Medicina e os reflexos da pandemia – artigo de autoria do Dr. Alcirley de Almeida

Por Dr. Alcirley de Almeida

A Medicina Baseada em Evidências (MBE), desde os anos noventa é considerada um importante pilar de integração entre cientistas, pesquisadores e a prática médica. O médico assistente é aquele que, exercendo a “arte da medicina”, propõe a conduta para o seu paciente, baseado nas melhores evidências científicas e em conformidade com as diretrizes recomendadas pelas suas respectivas sociedades de especialidades.

Não há dúvidas que a medicina atual, através do desenvolvimento tecnológico e científico, vem contribuindo para o aumento da qualidade e expectativa de vida em suas diversas áreas. Obviamente, este resultado só é possível devido aos inúmeros estudos científicos, com metodologias adequadas, que agregados à experiência clínica e ao desejo do paciente, nos permitem realizar a boa prática médica. A urgência imposta pela pandemia para a descoberta de um tratamento eficaz contra o novo coronavírus, vem pressionando a comunidade científica mundial, de tal modo que grupos políticos, principalmente no Brasil, estão interferindo e influenciando a população negativamente no enfrentamento à COVID-19. Sendo assim, observamos estarrecidos que médicos cientificamente atualizados até então, referências em suas especialidades, são frequentemente contestados por “experts” em uma doença nova e pouco conhecida, ou seja, são questionados e preteridos por pessoas “especialistas” em algo ainda não elucidado, causando conflitos e gerando insegurança na população. O explícito negacionismo exercido por indivíduos com grande influência política e amplo alcance nos meios de comunicação, dificulta o enfrentamento coordenado, harmonioso e eficaz contra o novo coronavírus, pois as recomendações habituais de usar máscara, manter o distanciamento social, evitar aglomerações, estimular medidas de higiene e orientar quanto à necessidade de busca por atendimento precoce, são desencorajados por atitudes contrárias à ciência.

A pandemia da COVID-19 colocou em dúvida o papel da MBE, pois com o argumento de que “se não ajudar, mal não faz”, tratamentos foram incorporados à prática clínica. Medicamentos prescritos simplesmente por experiência própria, e sem valor científico para uma doença altamente transmissível e com alta letalidade, constituem um grande equívoco, pois quando um tratamento comprovadamente ineficaz é utilizado por milhões de pessoas, muitos podem ser prejudicados pelos efeitos adversos. Isto nos remete a um dos princípios da medicina: “primeiro não prejudicar”! No decorrer da pandemia, após vários estudos clínicos, ficou comprovado que tais tratamentos, infelizmente, não funcionam para prevenção e tratamento da COVID-19. Então, qual é o real motivo para seguirmos nesta discussão?

Acredito que alguns questionamentos devem ser feitos. Será que o grupo de médicos que hoje contesta a MBE e segue opiniões próprias ou de colegas, antes seguia a ciência em suas respectivas áreas? No pós-pandemia continuarão contrários à aplicação da melhor informação científica no cuidado dos seus pacientes, dentro da sua especialidade? Ou retornarão a acreditar que o alicerce científico do médico, aliado ao valor humanitário é a melhor estratégia para conseguirmos os nossos objetivos? São questões que nos fazem pensar na existência do “médico de ocasião”, pois fica evidente que em algum momento, as boas práticas foram ou serão abandonadas em troca da autopromoção, consequentemente, o argumento do benefício ao paciente fica enfraquecido e passa a ser questionado.

Portanto, espero que a MBE continue sendo o grande elo entre a ciência e a arte médica, para evitarmos um temeroso retrocesso na assistência médica, pois objetivamos minimizar os erros, oferecer maior proteção e promover um estado de equilíbrio mental, físico e psicológico ao nosso paciente, enfim, promover saúde e salvar vidas!

 

Dr. Alcirley de Almeida CRM-PR 21.511

Cardiologista – Especialista em arritmia clínica

Prof. Faculdade de Medicina da Unioeste

Preceptor da Residência de Clínica Médica do HUOP

Coordenador da Residência de Cardiologia do HUOP

Preceptor da Enfermaria COVID-19 do HUOP

 

 

 

 

Dia Nacional de Combate a Hipertensão (26.04)

O Dia Nacional de Combate a Hipertensão (26.04) busca conscientizar a população sobre os cuidados, prevenção e tratamento da doença popularmente conhecida como pressão alta. É uma doença altamente prevalente na população adulta e muitas vezes desconhecida pelo paciente.

Definida quando a pressão arterial apresenta valores superiores a 140x90mmHg de maneira sustentada, tem como fatores de desenvolvimento o consumo de sal em excesso, sedentarismo, sobrepeso e condições hereditárias, dentre outros. De forma silenciosa, pode provocar o infarto agudo do miocárdio (IAM), acidente vascular cerebral (AVC) e insuficiência cardíaca.

Felizmente é uma doença passível de controle e o diagnóstico e tratamento precoces podem evitar as complicações. Por isso, a Pró Cardio Cascavel reforça a importância de manter uma alimentação equilibrada, praticar atividades físicas regulares, moderar o consumo de álcool e tabaco e buscar acompanhamento médico com o seu Cardiologista.

Pró Cardio Cascavel reforça importância da vacinação contra Influenza

Começa hoje (12.04) a Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza, com objetivo de reduzir internações, complicações e óbitos na população de maior risco. A Influenza é uma infecção viral aguda que acomete o sistema respiratório e pode ter sintomas comuns à Covid-19.

A vacinação acontecerá de forma escalonada, dividida em três grupos prioritários:

1)12/04 a 10/05: crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade, gestantes e puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde;

2) 11/05 a 08/06: idosos com 60 anos ou mais e professores;

3) 09/07 a 19/07: pessoas com comorbidades, caminhoneiros e outras populações de risco.

A equipe da Pró Cardio Cascavel reforça a importância da vacinação como forma de prevenção. No caso de dúvidas a respeito das comorbidades incluídas e da concomitância com a vacinação da Covid-19, fale com o seu médico.

Pró Cardio Cascavel participa de webinar Novidades em fibrilação atrial

A missão da Pró Cardio Cascavel é proporcionar um atendimento ético e humano de alta qualidade aos seus pacientes. Para isso, usa tecnologia de ponta para o diagnóstico, tratamento e prevenção das doenças cardiovasculares. Mesmo durante a pandemia, os profissionais da Pró Cardio Cascavel participam de atividades científicas em busca de atualização.

Um exemplo é a presença do Dr. Alcirley de Almeida, especialista em arritmias cardíacas, no webinar Novidades em fibrilação atrial, promovido pela Sociedade Paranaense de Cardiologia (SPC) E que ocorrerá no dia 30 de março (terça-feira), às 19h30. Ele apresentará a palestra “O que mudou nas diretrizes?”, seguido pelo Dr. Renato Lopes, que é uma referência da cardiologia mundial e falará sobre “Avanços na terapia antirombótica para prevenção do AVC”.

Acompanhe aqui.

Controle o seu peso, a saúde do coração agradece

A obesidade e o sobrepeso são condições crônicas que tiveram um aumento expressivo nas últimas décadas e são considerados fatores de risco potencialmente modificáveis para doenças cardiovasculares.

O sobrepeso é definido pelo Índice de Massa Corporal superior a 25 e menor que 30kg/m², já a obesidade quando o IMC é maior ou igual a 30.

Sabe-se que a obesidade, independente do grau, tem importante relação com o desenvolvimento de hipertensão arterial sistêmica, diabetes melitus tipo 2, insuficiência cardíaca e diversas outras condições. Além do IMC, também tem valor a avaliação da composição corporal e a distribuição da gordura uma vez que a gordura visceral (aquela ao redor dos órgãos) tem maior implicação nas alterações cardiovasculares. Esta avaliação pode ser feita pela medida da circunferência da cintura e pela bioimpedância.

Por estar relacionada a importantes condições que aumentam a morbimortalidade e também por ser condição crônica multifatorial, a abordagem da obesidade deve ser adotada com equipe multiprofissional, englobando nutricionista, cardiologista, endocrinologista e educadores físicos para avaliar o melhor plano de tratamento para o paciente.

A Pró Cardio Cascavel enfatiza que prevenir e combater a obesidade reduz o risco de doenças cardiovasculares.

“Controle o seu peso, a saúde do coração agradece”.